TOXICIDADE NOS ESPORTS

Tweet de organização de CS:Go desperta debate sobre a toxicidade dentro dos eSports.

TOXICIDADE NOS ESPORTS

Reprodução

Quando torcemos para um time, seja no esporte eletrônico ou tradicional, costumamos nos envolver seriamente com a causa dos jogadores ou times. Torcer para alguém ou por um time inteiro por conta de sua história e/ou motivação é natural. Porém, em muitos casos, a comunidade de torcedores afeta negativamente a proposta e conceito de esporte, que é o estabelecimento de respeito e solidariedade.

1920x609_top_002.jpg (1140×362)

(Foto por: North/ Reprodução)

 

Na última segunda (21) a organização dinamarquesa North, que atua no cenário de Counter Strike Global Offensive, publicou uma nota de alerta sobre toxicidade na comunidade do game. Em uma imagem postada em seu Twitter o time expôs alguns comentários de torcedores a respeito dos jogadores. Todos compostos por muitas ofensas, sendo alguns até desejando a morte dos players.

 

Em seu comunicado a organização afirmou que esta ação recorrente deve parar imediatamente. Pois isso não é saudável para os times, nem organizações, muito menos a comunidade em si. Outras organizações como SK GamingG2 Esports e Rogue entraram na campanha e compartilharam a mensagem.

maxresdefault.jpg (1280×720)

(Foto: Thumbnail do vídeo “14 VEZES QUE O TACO PROVOU SER O MELHOR ENTRY FRAGGER DO CS:GO” por: Burn - CS:GO)

 

 

Um exemplo de como a comunidade pode afetar também os jogadores foi o caso de Epitácio “TACO” de Melo, jogador de CSGO atualmente integrante da Made in Brazil. Em abril de 2018, o atleta deixou a organização SK Gaming. Um dos motivos principais, segundo o jogador, foi o repudio dos torcedores. “Se é para o bem da nação” – nas palavras de Epitácio.

1536871827181-littlevelma-2.jpg (1041×558)

(Imagem retirada da stream de littleVelma)

 

Como falado anteriormente, o esporte prega solidariedade, respeito e união de pessoas. Um exemplo de como a toxidade da comunidade pode afetar ela mesma é o caso da streamer LittleVelma, que em setembro de 2018 sofreu ofensas enquanto jogava em uma de suas transmissões. Na ocasião, a jogadora estava jogando Rainbow Six Siege, quando um companheiro de equipe a eliminou da rodada somente por ela ser mulher, isso momentos após ela tê-lo ajudado. Com o apoio da parte sensata da comunidade a streamer conseguiu ter animo e voltou a fazer streams.

 

Ofender pessoas através de uma tela sabendo que “nada irá acontecer” é um fenômeno da internet. Entretanto, tendo em vista um mundo mais pacifico e sadio, é necessária uma mudança de comportamento por parte das pessoas. Os eSports vieram para ser uma porta de oportunidades e realização de sonhos para diversas pessoas, sendo jogador, coachcaster, jornalista, entre outros. Nesse meio não há espaço para pessoas tóxicas.