2019: O ANO DO CRESCIMENTO DO ESPORTS NO MUNDO

Quase se consolidada a fase inicial da “novidade” sobre o tema esports, 2019 se mostra como ano de expansão da indústria

2019: O ANO DO CRESCIMENTO DO ESPORTS NO MUNDO

Reprodução

Passou o tempo em que podíamos chamar o esports de novidade. A modalidade cresceu exponencialmente nos últimos anos, atingindo números impressionantes tanto em termos de audiência quanto de receita. De acordo com o relatório de 2017 da Newzoo, empresa especializada em análise do mercado de games e esports, a indústria atingiria a marca de US$ 1 bilhão em meados de 2021. Já na última versão desse mesmo relatório, recebemos uma nova data prevista: 2019. 

OS ESPORTS MAIS RELEVANTES DA ATUALIDADE

Qualquer leigo que comece a se aventurar pelo tema esports encontra na variedade de modalidades o seu primeiro desafio. Por mais que todos façam parte do universo dos jogos eletrônicos competitivos, é pedir demais que uma pessoa sem um background gamer entenda as diferenças entre o Campeonato Brasileiro de League of Legends e o Brasileirão de Rainbow Six Siege logo de cara. Por mais que pareça óbvio para nós.  

Isso fica ainda mais evidente ao olharmos a variedade de jogos e modalidades mais relevantes da atualidade. De acordo com o Q1 The Esports Observer’s PC Games Impact Index, estudo realizado pelo The Esports Observer que analisa os games de PC de maior impacto para o primeiro quadrimestre de 2019, dos 15 principais jogos listados, podemos observar 11 modalidades completamente diferentes.

Esse estudo leva em consideração fatores chaves para os esports, como: número de jogadores ativos por mês, horas assistidas em serviços de streaming, premiações distribuídas, número de transmissões disponíveis na web (entre campeonatos e jogadores amadores), horas assistidas de campeonatos oficiais e número de torneios.

(FOTO- eSportsBR)

OS QUATRO GRANDES

Há alguns anos a indústria de esports era dominada por três jogos de maior relevância – Counter Strike: Global Offensive, Dota 2 e League of Legends – sendo estes conhecidos como “os três grandes”. Juntos, esses três games eram responsáveis por mais da metade do impacto gerado pelos esports nos jogos de PC. O que pouca gente esperava era o sucesso astronômico que Fortnite, Battle Royale da Epic Games, teve no último ano.

Com menos de um ano de seu primeiro torneio oficial, Fortnite já se colocou em pé de igualdade dos maiores esports de todos os tempos, entrando – e obrigando a mudança de nome – para o grupo que hoje é conhecido como “os quatro grandes”. Mesmo com uma liga famosa e com grandes impactos dentro da indústria dos esports, como a introdução do sistema de franquias dentro deste universo, o Overwatch (quinto colocado no estudo) fica separado por uma margem de 21,84 pontos dos quatro grandes no estudo realizado pelo TEO.

CENÁRIO MOBILE 

Apesar do PC ainda ser a plataforma favorita dos amantes dos esports, o cenário mobile está crescendo de forma considerável. Em 2017, os games mobile já representava 42% do mercado de games, faturando um total de 46,1 bilhões de dólares (informações da Newzoo). Com essa parcela de mercado considerável, os esports não poderiam ficar de fora. Grandes títulos como Clash Royale, Clash of Clans, Brawl Stars e PUBG Mobile são apenas alguns dos exemplos. No Brasil, Free Fire, Battle Royale da Garena se tornou febre principalmente entre os jogadores mais jovens, ultrapassou Candy Crush Saga (jogo casual que foi febre desde meados de 2012) como game mobile mais jogado. Mesmo com cenário competitivo ainda em construção, as premiações ainda não chegam perto das distribuídas entre os jogos dos "Quatro Grandes".

Porém, esse quadro provavelmente irá mudar em um futuro não muito distante. Além da acessibilidade da plataforma mobile o interesse do público mostra-se gigantesco. Para ilustrar, as finais da primeira etapa da Free Fire Pro League Brazil, realizadas nos dias 16 e 17 de março deste ano, chegaram a atingir 250 mil espectadores simultâneos na transmissão oficial.


Com todos esses cenários de expansão e a vastidão das oportunidades ligadas ao universo dos jogos competitivos, 2019 mostra-se como um ano chave para os esportes eletrônicos. Nunca antes se teve tanto investimento no setor partindo de marcas não-endêmicas (aquelas que não estão diretamente ligadas a indústria dos games). Gigantes como Coca-Cola, MasterCard, BMW, Tinder e Nike são apenas alguns dos mais recentes a entrar no barco dos esports.